Notícias

Polícia faz revelação assustadora sobre morte de jovem encontrada enterrada na praia de SC: ”ela foi obrigada a fazer isso antes de morrer”

O caso da promotora de vendas Amanda Albach, de 21 anos, localizada morta na praia de Itapirubá, em Imbituba, litoral de Santa Catarina, chocou os internautas pela forma em que a vítima foi morta.

De acordo com a polícia a jovem foi assassinada por fotografar um homem armado, envolvido com tráfico de drogas, que ficou com medo de ser denunciado.

Ela estava desaparecida desde o dia 15 de novembro, um dia após ter sido vista no beach club P12, em Jurerê Internacional, região nobre de Florianópolis. A polícia acredita que o próprio colega de festa tenha matado a jovem.

Três pessoas já foram detidas como suspeitos pelo crime, sendo um casal que acompanhou Amanda em viagem durante o feriadão da Proclamação da República e um homem, visto com ela na festa.

Segundo o delegado Bruno Fernandes, os depoimentos dos suspeitos foram muitos controversos, sendo mais um motivo para deixá-los presos.

O trio que ficaria preso por cinco dias, deverá ter novos rumos de investigações e penas, depois de um dos suspeitos confessar que matou e indicou a localização do corpo da vítima, em uma cova rasa, na praia de Itapirubá, em Imbituba.

Minutos antes de morrer a jovem Amanda chegou gravar um áudio e mandar pelo WhatsApp para uma parente dizendo que pegaria um carro de aplicativo para retornar para casa, no Paraná.

Novas informações assustadoras da Delegacia de Investigação Criminal de Laguna, responsável pelo inquérito, revelam que Amanda foi obrigada a mantar o áudio para familia, como forma de disfarça a ação dos criminosos.

Ainda de acordo com a polícia a vítima foi obrigada a  cavar a própria cova com uma pá e acabou morta com dois tiros.

“O suspeito contou que levou Amanda até a praia de Itapirubá e obrigou que ela cavasse a própria cova. Antes de ser morta, ainda a ordenou a gravar um áudio aos familiares dizendo que pegaria um carro de aplicativo para retornar ao Paraná”, relatou o delegado Bruno Fernandes.


Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.