Notícias

A prorrogação do auxílio emergencial até dezembro vai levar em conta novos critérios de pagamento. Saiba quem deixará de receber.

A prorrogação do Auxílio Emergencial vai até o mês de dezembro, portanto, haverá novos critérios para os pagamentos.

Algumas pessoas que receberam as cinco parcelas de R$ 600 poderá ficar de fora das quatro últimas parcelas de R$ 300 cada uma.

O programa criado em Abril deste ano devido a pandemia do novo coronavírus tinha o custo mensal  R$ 50,8 bilhões, no entanto, com estes novos critérios o custo do benefício cairá para R$ 16,9 bilhões mensais. Porém se a redução fosse apenas das parcelas que serão de R$ 300 mensais, o custo cairia apenas  R$ 25,4 bilhões. Já que as despesas cairá para R$ 16,9 bilhões,  portanto, essa diferença refere-se aos pagamentos que não foram efetuados na nova etapa.

Com a prorrogação do Auxílio Emergencial o custo anual será de  R$ 321,8 bilhões. As regras para quem receberá o Auxílio Emergencial mudou. Confira abaixo:

Posteriormente, era levado em conta os rendimentos obtidos em 2018, porém agora os dados válidos são os de 2019. Serão excluídos do benefício aqueles que receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70; pessoas que possuem bens, incluída a terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil; tenha recebido algum rendimentos isentos.

A nova regra do benefício também incluiu pessoas são independentes do imposto de Renda da Pessoa Física de 2019, também na condição de pessoa que tenha filho, enteado ou companheiro menor de 21 anos e maior de 24 estudando. Ou parente de mãe que seja chefe de família.

As pessoas que conseguiram um emprego de carteira assinada também perdem o direito no pagamento do Auxílio Emergencial, pagamento feito pelo governo.

Esta regra ciada a cima já existia, apenas foi reforçada. Ira ficar apenas pessoas que obtiveram benefício assistencial ou previdenciário, também que recebeu o seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal.

Serão proibidos os pagamentos para brasileiros que moram no exterior, pois há reportagens que alegam brasileiros que moram fora do país recebendo o benefício.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *